Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




O SITIO DO SINDEL NA INTERNET

por efepe, em 26.06.15

Ao consultar a pagina 13, do Relatório de Actividades e de Contas do Exercicio do Ano de 2014, do Sindel - Sindicato Nacional da Industria e da Energia,  

 RuiMiranda1.png

depara-se com a importancia de 8.814,51 (oito mil e oitocentos e catorze euros e cinquenta e um cêntimos), referentemente ao "SITIO DO SINDEL NA INTERNET".

 

Lendo-se o Resumo Descritivo, das Políticas Sindicais Complementares, verifica-se que, o Sitio do Sindel na Internet tem sido utilizado como meio de informação privilegiado com os sócios e o publico em geral.

 

E lendo-se as Operações, da área de Informação e Comunicação, verifica-se que, o Sitio do Sindel na Internet foi atualizado com frequência. O número de visitas tem aumentado de modo consideravel, tambem em resultado do apelo sistematico que a isso se faz em praticamente toda a informação emitida.

 

SERÁ ISTO VERDADE ???? 

 

Confesso que, tenho "sérias" dúvidas !!!

 

Pela simples razão,

 

de o Secretário Geral Adjunto Rui Miranda, na qualidade de responsavel pelo Departamento de Relações Laborais, ter deixado de informar e/ou de comunicar através de caixas de correio electronico do site www.sindel.pt, e ter passado a informar e/ou a comunicar com os associados, através de caixas de correio electronico da GMAIL.com.

 

18264989_2aoW6.png

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:45


O SINDICALISMO ... ESTÁ DOENTE !!

por efepe, em 23.06.15

A ACTIVIDADE OPERACIONAL DO SINDEL,

NO ANO DE 2014

Sindel.png

 

Do Relatório de Actividades e de Contas do Exercicio de 2014, do Sindel – Sindicato Nacional da Industria e da Energia, extraíu-se da sua Pagina 3, o “grafismo” correspondente à Actividade Operacional.

 

No ano de 2014, mais de metade (51 %) da Actividade Operacional, do Sindel - Sindicato Nacional da Industria e da Energia,  foi focalizada em Sessões de Esclarecimento e Visitas (36 %) e em Plenários (15 %).

 

Atividade Operacional.png

 

Destes números, poder-se-ão produzir as análises mais díspares, e retirar os significados e conclusões mais diferenciadoras possíveis. Optei, pela seguinte: 

Houve muito mais tempo para a “imposição da mensagem" da Comissão Negociadora (36 %)

do que para o “debate de ideias” com os associados e/ou trabalhadores em geral (15%).

 

Por outro lado,

 

A Atividade Menos Operacional (3%) registar-se-ia com a Eleição de Delegados Sindicais (1%) e com os Processos de Eleição no âmbito da Segurança e Saude no Trabalho (2%).

 

Simplesmente, 

“chocante” e “preocupante”

se atendermos que,

a MÉDIA DE IDADES dos actuais Quadros Sindicais do Sindel

está muito acima dos quarenta anos.

 

É NOTÓRIO que, cada vez mais, urge RENOVAR os Quadros Sindicais.

Mas, eventualmente, o "apêgo aos lugares" é a contribuição mais forte, para nada se fazer no sentido da "urgente" renovação.

 

Mais uma vez, alerto:

RENOVAR É PRECISO 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:29

Uma investigação de Erin Reid, da Universidade de Boston, indica que quem trabalha a 100% é tão valorizado como quem finge que trabalha.

naom_5573165195e34.jpg

 Numa empresa altamente orientada para resultados, a cultura de trabalho é mais intensa e a disponibilidade que se espera dos seus colaboradores é maior, tanto em termos de volume de trabalho como de horas trabalhadas.

 

Estas exigências são transversais aos colaboradores, sendo que o ideal seria que todos contribuíssem de igual forma. Isso, no entanto, não acontece. Muitos dos funcionários, principalmente os homens, podem estar só a fazer que trabalham.

 

A conclusão é de Erin Reid, da Universidade de Boston, que levou a cabo uma investigação, publicada na ‘Organization Science’, onde entrevistou mais de 100 pessoas de uma empresa de consultoria e consultou os seus relatórios de performance e outros dados do âmbito dos recursos humanos.

 

Indica o Business Insider, com base na investigação, que existem três grupos de trabalhadores. Os primeiros são os que se dedicam a 100% (trabalham horas a mais regularmente, estão sempre disponíveis aos fins de semana e feriados, trabalham em casa sem ser pedido), que têm avaliações de desempenho excelentes e carreiras consistentes.

 

Os que resistem ao trabalho de forma declarada, ou seja, exigem horários mais leves (licença de maternidade/paternidade), menos deslocações, mostram que não gostam de trabalhar aos fins de semana, etc, são punidos nas avaliações.

 

O terceiro grupo é, no entanto, o motivador desta notícia: os que fingem que trabalham. De acordo com o estudo de Reid, 31% dos homens e 11% das mulheres conseguem os seus objetivos (trabalhar menos) sem dizer nada.

 

Estas pessoas não pedem fins de semana, mas marcam coisas e não podem, fazem sugestões, dão ideias, não reclamam mas nunca fazem mais do que o estritamente pedido (ou menos). No entanto, recebem avaliações tão positivas quanto as dos colegas que se dedicam a 100%.

 

Diz a mesma investigação que para quem ‘finge’ melhor, ou seja, gere bem a perceção que os outros fazem do seu trabalho, fazer menos não traz nenhuma consequência.

 

Outra das constatações do estudo é que são as mulheres quem mais pede flexibilidade de horários (gravidez, filhos), sendo estas, também, mais prejudicadas.

 

A ideia que Reid deixa passar, em jeito de conclusão, é que as empresas, muitas vezes dão mais valor à aparência do que ao trabalho efetivo. Isto é, uma pessoa que faz o seu trabalho sem grande alarido pode ser pior avaliada do que uma pessoa que ‘diz’ que faz e que dá muitas sugestões, dando aparência de empenho.

 

(17:25 - 06 de Junho de 2015 | Por Notícias Ao Minuto)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:33


O SINDEL "nasceu" no interior da EDP

por efepe, em 05.06.15

Sindel.Informação1.png Efectivamente ...

o SINDEL "nasceu" no interior da EDP

 

Angelo.png

 

 

Mas o "actual" Secretário Geral do Sindel,  José Ângelo Pereira, parece que se esqueceu disso mesmo – ou seja, de o Sindel ter nascido no interior da EDP -, por razões várias.

 

Nomeadamente:

 

- Por "insistir" em não recuperar a COMISSÃO SINDICAL DO SINDEL no Grupo EDP, e nas suas empresas, na geografia de Portugal;

 

- Por "insistir" na não realização da ELEIÇÃO DE DELEGADOS SINDICAIS no Grupo EDP, e nas suas empresas, na geografia de Portugal;

 

E, acima de tudo,

 

- Por "dificultar" a realização de nova ELEIÇÃO DAS COMISSÕES E SUBCOMISSÕES DE SEGURANÇA no Grupo EDP, e nas suas empresas, na geografia de Portugal.

 

Isto é,

DESINVESTIMENTO POLITICO-SINDICAL

 

precisamente no "berço" do Sindel, enquanto Associação Sindical.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:52

Sindel.Informação1.png Sindel.Informação.png

O SINDEL considera positiva a forma cordial como decorreu a apresentação do novo Administrador do Pelouro de Recursos Humanos do Grupo EDP.

 

Na oportunidade, o nosso sindicato - representado pelo Secretário-geral, Secretário-geral Adjunto e secretários executivos responsáveis pelo Planeamento e Ação Sindical e pela Informação e Comunicação (todos trabalhadores da EDP) - deu as boas vindas à nova equipa negociadora e expressou as principais preocupações dos trabalhadores neste momento.

 

A pedido do Grupo EDP decorreu dia 27 de maio, uma sessão destinada a apresentar aos sindicatos o seu novo interlocutor na Administração. Trata-se do novo Administrador Engº Miguel Setas, que desde a última Assembleia Geral da EDP é, para além de Presidente da EDP Energias do Brasil, Vogal do Conselho de Administração Executivo da EDP Energias de Portugal – tomando conta do Pelouro dos Recursos Humanos.

 

A aposta na continuidade e no aproveitamento do saber dos anteriores responsáveis por esta frente de trabalho marcou o arranque da intervenção do nosso novo interlocutor que, justamente nessa linha, informou que o Dr. Américo Claro será o seu assessor neste pelouro.

 

O Eng.º Miguel Setas – que fez uma breve resenha sobre a situação atual do Grupo, que considera positiva e em linha com desempenhos anteriores – afirmou prezar o respeito mútuo e manifestou o desejo de defender os trabalhadores, como sinal transmissor de solidez e competitividade: “O que interessa à empresa não é a rentabilidade imediata, mas a longevidade. E os trabalhadores são parte essencial nisto e por isso queremos manter o clima de paz social, fundamental para sermos hoje a empresa que somos.” – disse, acrescentando noutro trecho da sua intervenção que isto é também “mérito dos sindicatos”.

 

O Secretário-geral do SINDEL – o primeiro dos sindicatos a usar da palavra – referiu o caráter já “histórico” deste tipo de apresentação aos sindicatos, “iniciado pelo Eng.º João Talone e continuado pelo Dr. António Mexia”. É, contudo, a primeira vez que acontece no pelouro dos Recursos Humanos o que, referiu, “para começar não está nada mal…”.

 

José Ângelo Pereira apresentou-se e aos secretários que o acompanhavam e apresentou também o SINDEL, “três anos mais novo que a EDP e nascido mesmo aqui, dentro desta casa”. Acrescentou ainda que a estratégia do SINDEL é a de dialogar para vencer e que espera que esta equipa faça “um bocadinho melhor do que a anterior, cujo saber seria lamentável perder”. Brincando com o nome do novo Administrador do Pelouro formulou o desejo de que este possa vir a ser o “CR7as” da negociação com os Sindicatos.

 

O Secretário-geral Adjunto, Rui Miranda, interveio para dizer que “é preciso arrumar a casa rapidamente” e que casos como a Comissão de Acompanhamento para a Saúde, os problemas registados na concessão de energia, as ajudas de custo e deslocações e os protocolos do ACT, têm que ter resolução urgente.

 

As preocupações colocadas pelo SINDEL seriam, depois, secundadas por praticamente todas as representações de sindicatos; e o Eng.º Miguel Setas prometeu reunir muito brevemente com o Dr. Américo Claro, abraçar a causa dos trabalhadores e resolver todos os problemas pendentes.

 

Os Eng.ºs Pita de Abreu (que se reforma) e Eugénio de Carvalho (agora Administrador da EDP Serviço Universal) despediram-se dos sindicatos com votos de que continuem, com a nova equipa, a trabalhar para conseguir bons resultados.

 

O SINDEL espera sinceramente que as intenções passem a atos e que se resolvam de uma vez por todas as situações enumeradas. Somos pela negociação e pela concertação e é nesse prisma que gostaríamos de trabalhar com a EDP. Esperemos que seja esse também o espirito da nova equipa de RH.

 

Lisboa, 29 de maio de 2015
O Secretariado do SINDEL

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:18


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D