Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Fcp.png

 

 

Ora bem, importa porventura, recordar um pouco a história

recente do Esquema de Saude no Grupo EDP.

 

JoaoGonçalves.jpg

 

Até à Revogação do EUP, e a sua consequente "integração" no ACT/EDP 2014, os reformados e os pensionistas eram representados pela Comissão de Trabalhadores, na defesa das questões do Esquema de Saúde.

 

Após a entrada em vigor do novo ACT/EDP2014, as questões relacionadas com o Esquema de Saúde, em termos de "representatividade", passaram para a competência dos Sindicatos.

 

Como uma grande parte de reformados e pensionistas, não se revêem nos actuais parceiros sindicais, estão numa situação de "desprotegidos" e consequentemente, estão "sem voz", junto da Mesa de Negociações do Grupo EDP.

 

Perante esta "dura realidade", as alternativas que se colocam, são:


- Ou se refiliam nos parceiros sindicais actualmente existentes; e,
- Ou se organizam numa "estrutura própria" de reformados e pensionistas edp.

 

Obviamente que, esta minha opinião, vale o que vale.

 

E AGORA, digam da vossa "justiça".

 

 

Reacçoes.png

 

ACHO QUE,

temos muito boa "massa cinzenta"

no interior do universo dos reformados e pensionistas edp,

para se criar uma estrutura própria,

com capacidade para "negociar" Direitos e Regalias para todos.

(Fernando Pêgas - 08-04-2018 13:04)

 

---------------------------------------------------------------

 

 Será mais eficaz criar uma estrutura fora da alçada sindical,

a imagem que os sindicatos têm transmitido,

é muito negativa e fraturante.

(Manuel Luis Sousa - 08-04-2018 17:50)

 

---------------------------------------------------------------

 

Penso que não conheço pessoalmente nenhum

dos habituais participantes neste fórum,

como tal tenho alguma dificuldade em avaliar as suas afirmações,

pois não sei se defendem uma posição sindical,

ou se a sua livre expressão. 


Respondendo ao desafio de Fernando Pegas

e em continuidade do que disse Manuel Luis Sousa,

julgo que no meio estará a virtude.


Acredito que no meio sindical existem bons negociadores,

não pelo protagonismo que poderão vir a ganhar,

mas pelo justo interesse da causa dos trabalhadores

e que já granjearam a estima dos seus colegas,

sendo conhecedores dos meandros das negociações,

no entanto também julgo necessário

que a estrutura contenha representantes,

dos reformados e pensionistas,

idóneos sem qualquer vínculo sindical. 


Repito,

isto sem menosprezo pelos sindicatos

e obviamente pelos sindicalistas,

acredito que se tornaram corporativistas,

mas também acredito que fazem falta na sociedade

pois sem eles estávamos muito pior


Continuação de um bom domingo

(João Gonçalves - 08-04-2018 19:15)

 

---------------------------------------------------------------

 

Meu caro João Gonçalves,

acompanho o Movimento Sindical em geral,

e o da EDP em particular, desde o ano de 1983.

 

E o que me desagradou assistir,

foi a transformação de alguns "bons" sindicatos

(somente do ambito da edp)

em "más" centrais sindicais

(de vários sectores de actividade).

 

E a "degradação" do Movimento Sindical na EDP,

passa muito pela "transformação" verificada,

e atrás referenciada.

 

Por norma,

quando se pretende "tocar" vários instrumentos ao mesmo tempo,

regra geral,

não se consegue tocar "nenhum" instrumento.

 

Tudo isto, para dizer o seguinte:

o universo de reformados e pensionistas da edp,

tem uma dimensão tal,

que permite que haja uma "estrutura própria"

que actue e se desenvolva "apenas" no sector de energia.

 

 

O que realmente, não acontece hoje em dia,

com a maioria dos actuais sindicatos em actividade

no ambito do Grupo EDP.

 

 

Espero, sinceramente, ter me feito "entender".

(Fernando Pêgas - 08-04-2018 20:05)

 

---------------------------------------------------------------

 

Parabens a todos os colegas

(José Ribeiro - 08-04-2018 22:17)

 

---------------------------------------------------------------

Meu caro Fernando Pegas

confesso que tenho pouca esperança

que se consiga dar a volta

tendo em conta o rumo que as coisas já tomaram,

nomeadamente na área da assistência médica.


A Sã Vida tornou-se um elefante branco,

uma mesa com muita gente à volta, 

sem qualquer evolução,

quero dizer melhoria na assistência,

antes pelo contrário

foi um cortar de benefícios que até dá dó.


A Sã Vida,

mas podíamos falar também nas Colónias de Férias,

são um exemplo que envergonha os nossos sindicalistas,

de qualquer área politica,

pois quando se comprometeram a enterrar a Comissão de Trabalhadores,

não se deveriam ter vendido por tão pouco. 


Vamos ver se o painel tem Capital Humano,

que ainda consegue sonhar

(recordo as palavras de LK “eu tenho um sonho”)

e arregimentar a união daqueles

que tudo já deram em prol desta empresa,

conseguindo assim criar condições

para a existência de serviços mais justos, dignos e humanos,

pois aquilo que se vê hoje

é simplesmente o cumprimento de serviços mínimos,

mas paupérrimos.


Eu cá estarei e perfilo-me desde já

para dar o meu contributo.

(João Gonçalves - 08-04-2018 23:14)

 

---------------------------------------------------------------

 

Meu caro João Gonçalves

desta vez "rendo-me" às evidências.

A minha concordancia por completo.

(Fernando Pêgas - 09-04-2018 11:07)

 

---------------------------------------------------------------

 

Também me rendo e assim sendo,

justifica plenamente a sugestão do Fernando Pegas.

É hora de avançarmos.

(Graça Freitas - 09-04-2018 22:49)

 

---------------------------------------------------------------

 

O que faz falta mesmo é uma "estrutura organizada"

DOS REFORMADOS E PENSIONISTAS EDP ...

PARA OS REFORMADOS E PENSIONISTAS EDP,

com capacidade jurídica de celebrar Convenções Colectivas

com o Grupo EDP.

 (Fernando Pêgas - 11-04-2018 10:56)

 

---------------------------------------------------------------

 

Caro amigo Pegas.

Tal como as coisas estão a decorrer,

não acredito que alguns sindicatos voltem a merecer a confiança,

neste caso, dos pensionistas (que não se filiariam)

- nem os Reformados.

 

Não concordo com o aqui foi dito

sobre a inexistência de Reformados com conhecimento

e capacidade para discutir sobretudo as 3 questões mais relevantes

que vêm sendo postas em causa pelo CA da EDP.

 

Tu próprio conheces alguns deles

que além das suas capacidades,

foram interpretes cimeiros da negociação do EUP.

 

Já disse por mais de uma vez e volto a faze-lo.

 

Os Sindicatos baseiam as suas posições (quando o fazem....)

apenas nos números, onde acordam a descida,

a compartipaçao dos trabalhadores e reformados

(estou a falar da Assistência Médica e Medicamentosa).

 

A discussão acente somente em numeros, é um "maná" para o CA.

 

Ignorar os princípios fundamentais que justificaram estas figuras do EUP,

é a perda quase completa da razão.

Numeros e valores devem ser discutidos, sim,

se os princípios se alterarm.

Perder aqui, para poder, eventualmente, ganhar ali,

é uma técnica de há muito conhecida que o CA aplica.

Quando dão fé da asneira,

os Sindicatos já não têm poder de negociação.

 

Acredita, caro Pegas

que eu e outros negociadores do EUP,

sabíamos muito bem quais eram as 4 figuras

que iam ser postas em causa pelo CA da EDP.

 

Os sindicatos estão a discutir o xexo dos anjos

para levar a bandeira da melhor negociação da Tabela Salarial.

 

Assim não vamos a lado nenhum,

ou melhor,

vamos a reboque do que a Empresa

quer para os seus acionistas

que se estão burrifando psra as questões Sociais.

 

Os Reformados e Pensionistas,

desconhecedores de todo o processo,

estão com duvidas (e sobretudo com muito receio).

 

Sentem-se sós.

 

 

Estou a pensar numa eleição

para acompanhamento do Fundo de Pensões.

Porque carga de água

os Sindicatos se esqueceram de alguns reformados

que (tendo sido negociadores do EUP

e acompanhando os acontecimentos)

não foi escolhido - ou convidado nenhum deles).

 

Porquê para que o Sindicato vencedor

embandeirar em arco?.

 

Termino esta conversa que vai longa. 

Um abraçodo Manuel Ferreira.

 (Fernando Pêgas - 11-04-2018 11:27)

 

---------------------------------------------------------------

 

Concordo com muitos dos teus pontos de vista,

meu caro amigo Manuel Ferreira.

 

Quanto ao Fundo de Pensões,

ALERTO que se trata de um ÓRGÃO CONSULTIVO,

tal como a Comissão de Acompanhamento de Saúde,

sem capacidade de negociar o que quer que seja.

 

Mas, há efectivamente o sindicato vencedor (o Sindel)

que se faz esquecido do facto atrás referido,

e anda a "mentir" a todos aqueles que desconhecem o facto

de aquelas Comissões de Acompanhamento serem órgãos consultivos

(e não deliberativos) ao serviço da Administração Executiva da EDP.

 (Fernando Pêgas - 11-04-2018 12:50)

 

---------------------------------------------------------------

 

Caro Fernando Pegas

Como já referi anteriormente, no universo deste grupo,

pouco mais de meia dúzia de colegas se interessaram pelo assunto,

no universo dos reformados, teremos uma dúzia ou uma centena,

tanto faz, será sempre uma pequena amostra.


Mesmo assim eu acredito que valerá a pena organizar esforços,

para uma tentativa de arregimentar os colegas que estão acomodados

e propor a tal estrutura organizada.


Como se vê nas últimas respostas

há muitos colegas conhecedores dos motivos da atual situação,

mas no entanto à primeira vista encontram-se indisponíveis para qualquer ação,

pelo sentimento que têm de que não há volta a dar.


Neste contexto, e agora dirigido a todo o grupo,

lanço um desafio que julgo ser proveitoso para reflexão de pelo menos,

os membros deste fórum,

desafio a que se pronunciassem

quando à melhor opção dentro das duas possíveis

e já anteriormente anunciadas.


O pronunciamento não deve ser sim ou não,

mas deve veicular uma vontade própria

e o motivo que leva a tal afirmação.


As duas opções, repito, já aqui propostas são:


- A união em torno de uma estrutura sindical já existente

e que no entender do grupo, tenha vontade,

interesse e força estatuária para a defesa dos reformados.


- A união em torno de um novo projeto, com raiz jurídica,

vocacionado para a defesa dos reformados e pensionistas,

que possa vir a ser constituído como uma alternativa a essa defesa

no setor da energia ou circunscrito à edp e ou ren.

(João Gonçalves - 11-04-2018 13:06)

 

---------------------------------------------------------------

 

Sou de opinião que no seio dos reformados há,

tenho a certeza, pessoas honestas e com massa cinzenta

mais que suficiente para organizar um grupo

que fosse capaz de nos representar

e lutar pelos direitos que temos vindo a perder em várias vertentes.

Atrevo-me a considerar já um. FERNANDO PEGAS...

(Francelina Fragoso - 11-04-2018 14:20)

 

---------------------------------------------------------------

 

ORA BEM ... Meu caro amigo Manuel Ferreira,

de uma coisa tenho a "FIRME CERTEZA"

(retirada da minha experiência desde 1983),

ou seja: NA EDP, OS SINDICATOS NUNCA ESTIVERAM

"VOCACIONADOS" PARA AS QUESTÕES SOCIAIS.

 

Essa "vocação" esteve sempre do lado

das Comissões de Trabalhadores.

 

 

Tanto é assim, que há um bom exemplo,

que vem confirmar o que acabo de dizer.

Foi o facto de ...

(e aqui tenho que colocar nomes, para não haver qualquer duvida)

os HOMENS DE SANTO TIRSO

(entenda-se o Angelo Pereira do Sindel e o Daniel Sampaio da Fiequimetal)

NÃO TEREM "INTEGRADO" NO ACT/EDP 2014,

A MATÉRIA RELATIVA AOS CAMPOS E COLÓNIAS DE FÉRIAS EDP.

 

Razão pela qual,

houve a necessidade de se elaborar um Abaixo Assinado,

para trazer de volta,

a referida matéria para cima da Mesa das Negociações.

(Fernando Pêgas - 11-04-2018 18:27)

 

---------------------------------------------------------------

 

ORA BEM ... Meu caro João Gonçalves,

partindo da "premissa"

do que disse anteriormente ao Manuel Ferreira,

e também considerando que

os Reformados e Pensionistas do Grupo EDP,

são a MAIOR REPRESENTAÇÃO de todos

os "universos" existentes no Grupo EDP,

os mesmos terão todas as "condições" para se tornarem,

a curto prazo, numa FORÇA SOCIAL

e com toda a certeza,

capaz de influenciar politico-sindicalmente falando,

qualguer Conselho de Administração Executivo do Grupo EDP,

e até mesmo, qualquer Assembleia Geral do Grupo EDP,

caso se ORGANIZEM numa Estrutura Própria,

criada de "raiz" e sem qualquer "ligação"

ou "filiação" politico-sindical.

BASTA, EFECTIVAMENTE, QUERERMOS !!!

(Fernando Pêgas - 11-04-2018 18:37)

 

---------------------------------------------------------------

 

 ORA BEM ... Francelina Fragoso,

antes do mais, o meu agradecimento pela CONFIANÇA

depositada na minha pessoa.

Depois direi que,

qualquer "caminho" se faz caminhando.

E, para inicio desta caminhada,

sugiro a realização de "Almoços Não Grátis",

dos SENIORES EDP

(entenda-se os Reformados e Pensionistas EDP),

em todas as capitais de distrito,

com o objectivo único de passar a mensagem,

e da recolha de assinaturas,

para efeitos de legalização da estrutura própria.

De acordo com um calendário a elaborar oportunamente.

(Fernando Pêgas - 11-04-2018 21:23)

 

---------------------------------------------------------------

 

Os responsáveis pela AREP

na nossa "Zona " já há bastante tempo

que organizam mensalmente um almoço convívio,

pago por cada elemento, para não quebrarem o contacto.

Só assisti a um e senti-me muito bem.

Isto pode ser um exemplo e um princípio...

(Fernando Pêgas - 11-04-2018 22:30)

 

---------------------------------------------------------------

 

Parece que foi fácil chegar a um caminho.

(João Gonçalves - 11-04-2018 23:17)

 

---------------------------------------------------------------

 

E agora João Gonçalves,

este é o "MOMENTO",

de dar inicio à nossa caminhada,

na construção de uma "estrutura de raiz",

por iniciativa de base de todos

os reformados e pensionistas da edp e da ren,

na defesa dos interesses dos mesmos,

designadamente nas áreas da ACÇÃO SOCIAL,

da SAÚDE e do VOLUNTARIADO,

junto dos órgãos sociais do Grupo EDP e do Grupo REN.

 

E para denominação social da "estrutura" sugiro, desde já,

a ENERGIA SÉNIOR - Reformados e Pensionistas da EDP e REN.

Que tal ?

(Fernando Pêgas - 12-04-2018 11:53)

 

---------------------------------------------------------------

 

Gosto da FORÇA SOCIAL

e de ser independente de qualquer força sindical:

n k tenha alguma coisa contra, ou qualquer coisa a favor,

mas pq acho k a acção social deve ser para todos

e para todos já k os reformados s pensionistas de hoje

foram os k vestiram a camisola e lutaram pela EDP

para ela chegar a todos.

(Francelina Fragoso - 12-04-2018 12:05)

 

---------------------------------------------------------------

 

Caro Fernando Pegas

parece-me bem

e pode contar com o meu modesto apoio.

acredito que seja mais uma escalada

que uma boa caminhada,

mas há que calçar os sapatos adequados.

BORA LÁ.

(João Gonçalves - 12-04-2018 12:53)

 

---------------------------------------------------------------

 

Gosto da ENERGIA SÉNIOR.

O meu voto de confiança no colega Fernando Pegas.

E, tal como o colega, João Gonçalves,

pode contar com o meu modesto apoio. FORÇA.

(João Gonçalves - 12-04-2018 19:18)

 

---------------------------------------------------------------

 

(copiado do blog Jornal Online 'efe pe' / sindical)

 

Olhando para o passado da Comissão de Trabalhadores,

da qual fiz parte desde o tempo em que se chamava CCC,

lamento muito saber que hoje as coisas estejam completamente diferentes,

isto é a representatividade diminuiu e quem mais perdeu foram os reformados.

 

 

Não quero tirar o valor aos Sindicados,

mas como já aqui foi dito também acho que a sua atividade não se coaduna

muito com aquilo que são as causas dos reformados.


Não sendo possível revogar aquilo que foi alterado, ou seja passar

a negociação dessas causas da esfera da Comissão de Trabalhadores,

também sou de opinião que se crie uma Estrutura própria,

ou adaptar a AREP,

para evitar aumentar ainda mais o números de estrutura representativas,

que em meu entender muitas das vezes só prejudica.

(José Agostinho - 15-04-2018 19:06)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:19


2 comentários

De Anónimo a 15.04.2018 às 19:03

Olhando para o passado da Comissão de Trabalhadores, da qual fiz parte desde o tempo em que se chamava CCC, lamento muito saber que hoje as coisas estejam completamente diferentes, isto é a representatividade diminuiu e quem mais perdeu foram os reformados. Não quero tirar o valor aos Sindicados, mas como já aqui foi dito também acho que a sua atividade não se coaduna muito com aquilo que são as causas dos reformados.
Não sendo possível revogar aquilo que foi alterado, ou seja passar a negociação dessas causas da esfera da Comissão de Trabalhadores, também sou de opinião que se crie uma Estrutura própria, ou adaptar a AREP, para evitar aumentar ainda mais o números de estrutura representativas, que em meu entender muitas das vezes só prejudica.

16-04-2018
José Agostinho

De Jose Agostinho a 15.04.2018 às 19:06

Olhando para o passado da Comissão de Trabalhadores, da qual fiz parte desde o tempo em que se chamava CCC, lamento muito saber que hoje as coisas estejam completamente diferentes, isto é a representatividade diminuiu e quem mais perdeu foram os reformados. Não quero tirar o valor aos Sindicados, mas como já aqui foi dito também acho que a sua atividade não se coaduna muito com aquilo que são as causas dos reformados.
Não sendo possível revogar aquilo que foi alterado, ou seja passar a negociação dessas causas da esfera da Comissão de Trabalhadores, também sou de opinião que se crie uma Estrutura própria, ou adaptar a AREP, para evitar aumentar ainda mais o números de estrutura representativas, que em meu entender muitas das vezes só prejudica.

16-04-2018
José Agostinho

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D